Pensei em escrever um grande texto, mas acho que poucas palavras vão dar o entendimento do que quero dizer.

Olho os homens pretos que almejaram suas conquistas, seu lugar de fama e sucesso (comercial ou não), e penso no esforço que fizeram. No hiper-foco, em como fizeram dos seus sonhos a base real de suas vidas, o ar que respiravam. To falando de músicos, de futebolistas, mas também dos mais comuns, Onde tudo ficou pra trás, ficou pequeno diante do que queriam conseguir, do que almejavam. Numa sociedade que exige que você seja bom em tudo a que se propõe, eles decidiram ser bons em uma coisa. E se dedicaram, com perdas sim, com vária críticas, por não serem bons em outras áreas ou não estarem disponíveis em momentos ou lugares que também lhe seriam importantes. Com o ônus, até o apogeu.

Como vejo Odé nestes homens. Como s vejo como Oxotankoxoxo, o Caçador de uma flecha só, que deve atirar para acertar, pois é a única que tem, Nisto a gente entende o hiperfoco, a resiliência. Matar a grande ave (as agruras do destino) e salvar a aldeia (a si mesmos, aos seus). Louco que por vermos muitos em áreas de entretenimento, não nos atentamos pro grau de investimento que eles fazem, que suas famílias fazem, transformando-os também em flechas salvadoras.

Não que tenham se tornado os melhores seres humanos do mundo, sem defeitos, traumas ou dores, mas esse elemento de dedicação, é algo bonito de se ver. Da tentativa da perfeição, da repetição, para que quando for momento, não haja falhas, para que a corda no arco vibrasse uma única vez!

Saúdo a vibração de Odé que cada um temos em nós na busca de nossos objetivos!

Olojo Oni, mojubá! Okê Arô!

Agradecido ao texto do pai Roger Cipó nestes dias. mas associações tão interessantes entre nós e nossos pais ancestrais, Adupé!

Também faço deste texto uma homenagem ao meu irmão Fábio Kabral, o Omo Odé mais obstinado,focado e certeiro que este Aiyê já viu (e ainda vai ver)! Aquele que me ensina que todo sonho e objetivo deve ser sonhado, para que a realidade desejada possa se tornar real! Uma fábrica de incentivos, pela sua própria trajetória de vida.

Também faço uma homenagem ao mano Pedro Ankh. Tua luta num tá passando despercebida, nego! Há de virar. Afia a pontaria pra tua caçada!

Aos meus irmãos, meus respeitos!

Aos homens pretos, que tenhamos a fibra e o foco de Odé na busca de nossos objetivos, para a fartura daqueles e daquelas que nos rodeiam!

Axé pra noiz!

Por: Tago Elewa Dahoma (Thiago Soares), 25 de abril de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s