A musicalidade preta e a sua representação audiovisual

Ver um gênero puramente preto ser tomado pela indústria é ver a transformação em direção ao embranquecimento em diversas etapas: a primeira é a mais fácil, pois se transforma os ídolos/musas. Como boa parte das expressões são feitas por homens, as mulheres símbolo do afeto carinhoso tornam-se brancas, fortalecendo a mulher branca como o ideal de feminilidade, a parceira ideal.. É simplesmente a continuação de um racismo secular (no caso brasileiro), agora nas novas mídias.

segundo passo é tornarem brancos os emissores do gênero: basta vermos como no final dos anos 1990, houve tentativas com o pagode paulista, com o pagodão baiano e mais atualmente, com o cenário do rap e do funk. No caso dos dois últimos, os expoentes – ou pelo menos os que lucram mais – não são pretos.

A música passa por várias transformações, as quando vamos ao visual, à “encarnação” dos sentimentos, dos desejos e vontades, há uma capa branca, um invólucro, sobre um conteúdo fundamentalmente preto.

Como o som tem origem, mas não tem rosto, a possibilidade de moldar as nossas percepções em direção ao padrão brancóide é uma máxima na sociedade brasileira.

A musicalidade e letras como manifestações de nosso desejo e sonhos foi e continua sendo capturado, rumo ao áureo e o cândido.

Ainda os figurantes de si mesmos, mesmo que superficialmente protagonistas nas telas e clipes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s